Geral

Envio de Plano Diretor à Câmara deve ser acompanhado de Plano de Mobilidade, recomenda MP

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) recomendou ao prefeito Iris Rezende (MDB) que não envie o Plano Diretor para votação na Câmara Municipal sem que esteja acompanhado pelo Plano de Mobilidade. Esse último tem por objetivo integrar o planejamento urbano, transporte e trânsito, observando os princípios de inclusão social e da sustentabilidade ambiental.

No documento, a promotora de Justiça Leila Maria frisa que municípios com mais de 20 mil habitantes são obrigados a elaborar e aprovar o Plano de Mobilidade Urbana, que deve ser integrado e compatível com os respectivos Planos Diretores e, quando couber, com os planos metropolitanos de transporte e mobilidade urbana, de acordo com o estabelecido pela Lei de Mobilidade Urbana (Lei nº 12.587/2012).

Leila Maria afirma que o artigo 24, parágrafo 40, da Lei de Mobilidade Urbana estabelece o prazo de 12 de abril de 2022 para que o Plano de Mobilidade do Município de Goiânia seja elaborado e aprovado. Caso isso não ocorra até esta data, os municípios apenas poderão solicitar e receber recursos federais destinados à mobilidade urbana caso esses sejam utilizados para a elaboração do próprio plano.

A promotora explicou ainda que explicou que o Plano Diretor é um mecanismo de política urbana instituído pela Constituição Federal e tem finalidade de orientar a política de desenvolvimento e ordenamento da expansão urbana do Município, integrando o uso do solo, habitação, saneamento e mobilidade urbana. Leila Maria lembrou que o novo Plano Diretor está em andamento, mesmo não tendo sido entregue para análise e votação o Plano de Mobilidade Urbana.

Risco financeiro

A ausência do Plano de Mobilidade prejudica não apenas a sociedade, como também prejudicará financeiramente o município de Goiânia, que deixará de receber, por período indeterminado, recursos importantes que seriam aplicados na mobilidade urbana, sustentou Leila Maria. Segundo ela, como o novo Plano Diretor ainda não foi colocado em votação, o Município está diante de uma tramitação simultânea, oportunidade única de buscar a aprovação dos dois projetos, para aprimorar a mobilidade na cidade.

Leila Maria afirmou também que, sem estar acompanhado do Plano de Mobilidade, o Plano Diretor não abrange todas as necessidades da cidade, ficando, assim, incompleto, sob risco de rapidamente ficar ultrapassado.

Foi estabelecido prazo de cinco dias para que o Município comprove documentalmente o cumprimento da medida, que deve ocorrer imediatamente. Ela adverte que a recomendação tem por finalidade prevenir responsabilidade, uma vez que o descumprimento levará à tomada de medidas legais de responsabilização dos agentes públicos envolvidos, especialmente o ajuizamento de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa. (Com informações do MP-GO)

fonte: Jornal Opção

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro Olho no Olho, no Balanço Geral; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8:30h ate às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.