Política

PSDB se distancia de Ricardo Nunes e retira apoio

A bancada do PSDB em São Paulo se distanciou do prefeito Ricardo Nunes (MDB) e não garante mais “apoio automático” aos projetos apresentados pelo emedebista, que assumiu o cargo no dia 16 de maio, após a morte de Bruno Covas (PSDB). O partido pede maior participação na elaboração dos projetos de lei e critica nomeações feitas por Nunes para cargos na administração municipal sem consulta ao partido.

Parte da pressão se deve à expectativa de que, gradualmente, Nunes retire espaço do PSDB na Prefeitura para abrigar melhor sua própria legenda. As secretarias mais vitais para a gestão, Governo e Casa Civil, são controladas por tucanos. Nunes, até o momento, não fala em mudanças, e procura dizer, nas agendas públicas, que seu governo se chama “gestão Bruno Covas”.

Embora tucanos refutem que o posicionamento da bancada seja caracterizada como uma “rebelião”, o distanciamento vem se apresentando por meio de críticas ao modus operandi da Prefeitura – que, na verdade, é uma prática adotada desde a gestão João Doria (2017-2018) – de alterar o conteúdos dos projetos de lei horas antes da votação, por meio de substitutivos. Na semana passada, os tucanos ensaiaram até não votar o projeto que alterou regras da Operação Urbana Água Branca, na zona oeste, proposta aguardada há dois anos pelo mercado imobiliário para reduzir os custos para empreender na região.

No momento da votação, os tucanos só apontaram o “sim” quando o processo já durava quatro minutos e o painel de votações registrava 33 votos favoráveis – número suficiente para a aprovação do texto. Ciente do risco de derrota, o governo havia cedido a demandas de siglas de oposição, como o PT, que queria mais recursos para a habitação, e mudou trechos do projeto para garantir o “sim”.

A bancada tucana tem oito dos 55 vereadores, e empata no posto de maior da casa com o PT. Seis deles atrasaram a votação: Xexéu Trípoli, o líder do partido, Carlos Bezerra Júnior, Aurélio Nomura, Rute Costa, Sandra Santana e Gilson Barreto. Fabio Riva, líder do governo, e João Jorge, que foi líder do governo durante a gestão de João Doria, continuam fiéis a Nunes.

Distância

Estadão ouviu sete membros da bancada tucana nesta semana. Cinco deles confirmaram a predisposição pelo afastamento, dizendo que a legenda continua sendo da base do prefeito, mas não é mais o partido do governo. Dessa forma, cada projeto de lei terá de ser detalhado à bancada.

A apresentação dos substitutivos já era criticada pela oposição porque abre brecha para a inclusão de jabutis – artigos alheios ao escopo original do projeto. “É um papel da Mesa da Câmara, da própria Câmara, ter um diálogo com o Executivo para haver uma melhora”, disse o líder do PSDB, Xexéu Trípoli. O líder do governo, Fabio Riva, negou que houvesse um movimento do partido de se afastar do governo.

Fonte Terra

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro 'Olho no Olho', no Balanço Geral. Mantém, há mais de 18 anos, o programa 'Opinião em Debate' que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico 'Opinião em Debate', que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820AM, de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 08h30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8h30 até às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia 106,7FM.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.