Artigos

Os sons do atraso

Por questão de ignorância é que os legisladores brasileiros não se interessam em coibir a poluição sonora. Mesmo que os especialistas demonstrem, claramente, os danos que o barulho urbano causa na saúde do cidadão, a classe política ignora a gravidade do problema. Esse descaso acarreta enormes prejuízos. Os ruídos excessivos alimentam o estresse. Esse, por sua vez, engrossa as filas nos hospitais, exige tratamentos dispendiosos e onera a sociedade produtiva via ausência no trabalho.
Mesmo frente a esse contexto, provado e comprovado, os famigerados carros de som continuam invadindo nossos lares. O abuso irrita a maioria da população e continua existindo para atender os interesses de um grupelho irresponsável. Mesmo sendo o exemplo literalmente mais gritante, os veículos com auto-falante não são os únicos a azucrinar os tímpanos do trabalhador.
Recentemente a AMMA (Agência Municipal do Meio Ambiente) autorizou a colocação de caixas de som num amplo quadrilátero de Campinas. Resultado: o cidadão ficará à mercê das ondas sonoras emitidas pelas possantes. Trata-se de um abuso enfiado tímpano abaixo. No caso das emissoras de rádio o sujeito pode desligar ou mudar de estação.
A tal engenhosidade obriga os clientes a ouvir o que está sendo retransmitido gostando ou não do repertório. É claro que resta a opção de sair correndo e fazer compras em outro local. Uma injustiça. Quem vai decidir quais músicas ou mensagens serão alardeadas? Se o gosto de quem controlará o repertório for de rock pauleira ou sertanejo torce a garganta, que se dane quem não gostar do ritmo.
Esse estilo de autorização, a meu ver corrompido na essência da proposta, é mais uma sobrecarga na poluição sonora da Capital. O pitoresco é que – muito apropriadamente destaca-se – os comerciantes são proibidos de usar aparelhos de som nas lojas. Entretanto, na ótica obtusa da AMMA, dezenas de engenhocas falantes estão liberadas para urrar na avenida.
Por essas, e muitas outras que untam umbigos bem nutridos, é que fica cada vez mais difícil dormir e descansar nas cidades. Mudar-se para o interior não resolve a questão. A poluição sonora é uma praga bem tolerada em todas as comunidades. Será que tímpanos de vereadores são diferentes dos que existem nos mortais comuns? Parece que sim.
Rosenwal Ferreira é Jornalista e Publicitário.

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro 'Olho no Olho', no Balanço Geral. Mantém, há mais de 18 anos, o programa 'Opinião em Debate' que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico 'Opinião em Debate', que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820AM, de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 08h30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8h30 até às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia 106,7FM.

3 Comentários

Clique aqui para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Olá Rosenwal,

    Só hoje tive contato com seu blog, ao ler uma postagem sua no Twitter (O nosso é o @twittecologico).

    Meus parabéns por defender a despoluição sonora. Algumas vezes estive em Campinas e também pude sentir o incômodo causado pela eterna dor de cotovelo de cantores chifrados, ululando através das caixas de ruídos. (Som, realmente não é!)

    Atenciosamente,

    Bosco Carvalho