Justiça

OAB rejeita pedido do Itamaraty para flexibilizar atuação de advogados estrangeiros no Brasil

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) rejeitou pedido feito pelo Ministério das Relações Exteriores para flexibilização da prestação de serviços advocatícios no país por escritórios e profissionais estrangeiros. Em votação no último dia 5 de novembro, o Pleno do CFOAB acompanhou, por unanimidade, o voto do relator, o conselheiro federal por Goiás, Marcello Terto e Silva.

Segundo informações do portal Rota Jurídica, as alterações sugeridas dizem respeito à disciplina a reciprocidade no tratamento de advogados como condicionante do desempenho da atividade de consultoria em direito estrangeiro no Brasil.

Segundo o Itamaraty, a exigência de reciprocidade é vetada na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e, por isso, pode inviabilizar a entrada do Brasil nessa organização internacional.

Ainda de acordo com o ofício, os países que aderem aos Códigos de Liberalização, principais documentos da OCEDE, assumem a obrigação de eliminar, de forma progressiva e unilateral, restrições estabelecidas pela legislação ou práticas domésticas que discriminem entre residentes e não residentes nas áreas cobertas pelos Códigos.

Voto

Na interpretação de Marcello Terto não faria sentido renunciar à reciprocidade numa relação em que os próprios Estados-membros da OCDE conferem o mesmo tratamento de liberdade profissional que o princípio de direito internacional em consideração preserva.

Além disso, a reportagem do portal Rota Jurídica destacou que Marcelo teria argumentado que o Códigos da própria OCDE reconhecem a necessidade de promover mercados abertos e pressupõe respeito à situação individual de cada país, em um quadro equilibrado que possibilite a evolução progressiva em direção à liberalização.

“Propõe-se abrir indiscriminadamente nosso mercado a advogados ou escritórios de advocacia de grandes nações já integrantes da OCDE sem considerar a nossa realidade, promover maior reflexão e planejamento ou demonstrar a disposição de levar a efeito ações estruturadas e progressivas para o rearranjo do mercado da advocacia no Brasil”, disse em seu voto.

Marcello Terto salientou, ainda, que, se os Códigos da OCDE são baseados em processos consultativos, nos quais a compreensão e persuasão têm maior peso do que a pressão e a negociação.

Parecer

O CFOAB também subsidiou a decisão em parecer assinado pelos advogados Gustavo Brigagão, Luciana Nemer e Bruno Magalhães, membros da comissão que avalia as consequências da entrada do Brasil  na OCDE.

No documento, os advogados destacam que 19 dos 36 atuais países-membros da OCDE possuem, em maior ou menor grau, “algum tipo de restrição à prestação de serviços jurídicos por profissionais egressos ou situados em outros países”.

Ponderam que manter o Provimento e, sobretudo, reforçar sua plena aplicabilidade na jurisdição brasileira durante o trâmite de adesão do Brasil à OCDE, é fundamental para garantir a observância da Constituição Federal e do Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil. “Mais que isso, significa respeitar a própria independência da OAB, reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal”, completam. (Com informações do portal Rota Jurídica)

fonte: Jornal Opção

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro Olho no Olho, no Balanço Geral; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8:30h ate às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.