Política

Maior possibilidade de aliança do PSD é com o DEM, diz Vilmar Rocha

O PSD está bem próximo de consolidar a aliança com o DEM do governador Ronaldo Caiado garantindo o apoio do Palácio das Esmeraldas à candidatura de Vanderlan Cardoso. A definição mesmo deve acontecer na próxima semana, até a quarta-feira, 16, data que se encerra o período de convenções partidárias.

O último detalhe que está sendo acertado entre o partido de Vilmar e o DEM passa pelo apoio do PSD à reeleição de Ronaldo Caiado em 2022. Sobre a possibilidade, Vilmar Rocha é enfático: “O senso comum, a realidade política sabem que acordos a tão longo prazo não são confiáveis”, analisa.

“Se eu fosse pensar só na vantagem, sem me preocupar com a palavra dada, eu fecharia só para ter o apoio do Caiado. Mas ele conhece a política e saberia que eu não estaria sendo sincero se prometesse algo a tão longo prazo”, avalia.

E explica: que garantias qualquer partido tem de que o cenário político em 2022 será o mesmo? O DEM, por exemplo, hoje apoia o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas é cedo para garantir que o apoio se estenderá na próxima disputa presidencial que interfere diretamente nas eleições estaduais.

Aliança DEM e MDB

Nessa linha de incertezas, Vilmar Rocha também não vê viabilidade em um acordo entre o DEM de Caiado com o MDB de Maguito Vilela. Para o presidente do PSD, possibilidade de Daniel Vilela disputar o Senado em 2022 e não enfrentar Caiado em Goiás, é uma garantia que não pode ser dada.

“Politicamente é muito difícil garantir e acreditar nisso, quem conhece a política sabe que é impossível. É uma garantia que não pode ser dada”, afirma.

PSD na vice?

Vilmar Rocha também conversou com o Jornal Opção sobre a possibilidade do PSD compor com o MDB e bancar o vice na chapa. Boatos davam conta de que a vaga teria sido oferecida pelo MDB ao presidente do PSD na capital, o ex-deputado Simeyzon Silveira.

“Uma definição que temos é de que o PSD terá candidato a prefeito”, diz Vilmar ao elencar mais um ponto que propiciou a aproximação com o DEM: o partido do governador aceita bancar o vice para a chapa. Por outro lado, o MDB já definiu pela candidatura de Maguito Vilela, o que, na visão de Vilamr Rocha, inviabiliza a composição PSD e MDB.

Interferência de Marconi

Questionado sobre uma provável influência do ex-governador Marconi Perillo para tentar frear o apoio de Caiado a Vanderlan, Vilmar Rocha é categórico: “O chamado Tempo Novo se encerrou em 2018”.

Vilmar lembra que, na época, foi procurado por Ronaldo Caiado, mas decidiu não se aliar ao governador e nem participar ativamente da candidatura de José Eliton.

No entanto, Vilmar avalia que o ciclo do ‘Tempo Novo’ acabou e garante que não há interferências de Marconi Perillo. “Eu me mantive com o grupo do qual fiz parte até o fim. Beijei a lona com esse grupo, mas agora isso não existe mais”.

A força de Vanderlan

Para Vilmar Rocha, Vanderlan Cardoso é hoje o pré-candidato mais forte na capital. Em sua visão, Vanderlan sai na frente de Maguito por ter mais intimidade com Goiânia enquanto o emedebista teria mais afinidade com Aparecida de Goiânia. “Mas essa é uma avaliação empírica minha”, ressalva.

Vilmar analisa ainda que, para Caiado, Vanderlan também é o candidato mais forte a se combater em 2022. Nesse caso, sendo Vanderlan eleito à prefeitura da capital, o governador teria menos um adversário de peso em 2022.

Isso, no entanto, não significa que o PSD não terá candidato próprio nas eleições estaduais. “Mesmo Vanderlan sendo eleito teremos outro candidato”, diz sem fechar a possibilidade para que o partido também firme alianças em 2022.

Proximidade com Caiado

Sobre as conversas e a recente proximidade com o governador Ronaldo Caiado, Vilmar disse ao Jornal Opção que ele e o democrata sempre tiveram ‘divergências políticas e partidárias’, mas garante que não há ressentimento ou qualquer coisa pessoal entre os dois. “Sempre nos tratamos com respeito, isso sempre prevaleceu”.

A aproximação começou através de Vanderlan Cardoso que foi quem deu início ás conversas com o governador. No entanto, Caiado fez questão de conversar com Vilmar e teria dito que só tomaria uma decisão após essa conversa por confiar e acreditar na palavra do presidente do PSD.

fonte: Jornal Opção

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro Olho no Olho, no Balanço Geral; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8:30h ate às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.