Artigos

Covardia das autoridades goianas contra passageiros do aeroporto

Chamar o entreposto aéreo da capital de Aeroporto Internacional é uma chacota de mau gosto. Quem tem um mínimo de respeito pelos santos devia elaborar um manifesto exigindo a retirada do nome Santa Genoveva. É fato que ao levantar vôo ou aterrissar nas improvisadas estruturas oferecidas é um ato de fé, capaz de invocar elementos sagrados de todos os credos religiosos. A frase que mais se escuta entre os passageiros é o famoso “Deus nos acuda”. Considerando que até hoje não aconteceu uma tragédia no local, o Mestre do Universo achou por bem atender às nossas preces.

Pois bem, tirando fora a parte espiritual como única a nos dar algum alívio, resta analisar o porquê das autoridades goianas contribuirem com doses extras de covardia aos que não possuem outra alternativa nas viagens de avião. A Prefeitura de Goiânia, por exemplo, na perversa contribuição da Agência Municipal de Trânsito (AMT), envia agentes para multar os pais de família nas imediações.

Até os urubus que sondam as redondezas sabem que o quadrilátero não oferece vagas capazes de atender a demanda. Infligir punições aos motoristas é uma covardia desnecessária. O certo é colaborar com direcionamento e orientações sem onerar o bolso do contribuinte. Afinal de contas, a culpa pela indecência a céu aberto é de quem não tomou providências para construir o que se faz necessário.

Na essência do bom senso, as autoridades não possuem moral alguma para aplicar castigo nas ruas que circundam o local. Que opções se oferece às famílias viajantes? Nada é ofertado. Será que ninguém percebe o absurdo nas ações punitivas naquela área? Não estamos sugerindo que se deixe instalar o caos. Mas que se ofereça auxílio considerando as limitações que os próprios órgãos do governo infligiram à população que pagar a mais alta, injusta e mal aplicada carga tributária do planeta.

E não é apenas o Paço Municipal que se ajeita na violência cotidiana contra os indefesos. O Estado bem que podia fiscalizar evitando abusos nos preços oferecidos aos turistas, exigindo um mínimo de higiene nas lanchonetes. Como ali é uma espécie de “terra do nem”, é possível que se afirme que as regras de controle fiquem no limbo entre as lides federais e estaduais. Na dúvida ninguém faz nada?

O problema do aeroporto não se atola apenas nas precárias estruturas. É uma questão de vontade política e de um fenomenal descaso. Se tivessem criatividade poderiam até erguer tendas improvisadas, alugar terrenos baldios e oferecer deslocamento alternativo. Existem muitas soluções criativas que nunca foram examinadas. Justamente porque não existe respeito.

Essa pocilga, que se arrasta por décadas, é o retrato da classe política que nos domina. Gente ordinária que chega e sai pela porta dos fundos, ignorando o calvário de quem precisa se deslocar de uma região a outra. São todos culpados. Na arrogância ainda justificam escarmentar o nosso cotidiano. Resta-nos um alívio. Uma dose de satisfação interessante. Ao amargar o inferno na terra por conta de seus desmandos, estou certo que o inferno os espera na reta final.


Rosenwal Ferreira é Jornalista e Publicitário

Twitter: @rosenwalf

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro 'Olho no Olho', no Balanço Geral. Mantém, há mais de 18 anos, o programa 'Opinião em Debate' que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico 'Opinião em Debate', que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820AM, de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 08h30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8h30 até às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia 106,7FM.

2 Comentários

Clique aqui para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Extorsão em sentido lato: se de um lado, roubam e aplicam mal o dinheiro do povo, por outro, transformam a própria incompetência em fonte de renda: punindo quem não tem outra alternativa a não ser descumprir a lei para conseguir o seu espaço para estacionar. Tudo isso, com o aval da Agência Municipal de Trânsito e sob o silêncio da Infraero!

  • É facil resolver o problema do estacionamento do Aeroporto. Basta colocar a diária em R$ 150,00. Assim, o estacionamento seria devolvido àqueles que o utilizam para levar e buscar passageiros.
    Atualmente, com a diária a 15,00 é mais barato deixar o carro no estacionamento do que pegar um taxi.
    Quem vai sempre ao estacionamento vê que aqueles veículos são “figurinhas carimbadas”…. estão a semana toda por lá.
    Como não se pode esperar o uso consciente do estacionamento pelas pessoas, resta atingir-lhes onde está escondida sua consciência, no proprio bolso.
    Facil ! Só não entendo porque a infraero tem tanta dificuldade em tomar esta decisão.
    Seria bom pra todos:
    – Para quem usa a vaga num curto espaço de tempo
    – Para os estacionamentos da redondeza que estão quebrando pela concorrência predatória da infraero.
    – Para os taxistas, que precisam garantir o leite das crianças.