Artigos

Carta aos derrotados nas eleições

                Em um de seus bons momentos de filósofo, o saudoso Bob Marley escreveu o seguinte: “É melhor atirar-se à luta em busca de dias melhores, mesmo correndo o risco de perder tudo, do que permanecer estático, como os pobres de espírito, que não lutam, mas também não vencem, que não conhecem a dor da derrota, nem a glória de ressurgir dos escombros. Esses pobres de espírito, ao final de sua jornada na Terra não agradecem a Deus por terem vivido, mas desculpam-se perante ele, por terem apenas passado pela vida.”

           Nessa ressaca pós-eleição, em que a maioria dos candidatos se engasga na derrota e amargam frustrações que doem no bolso e na alma, nada como recordar as palavras do talentoso músico do reggae. O que valeu foi acreditar na vitória e ter apostado na democracia brasileira.

          Eu admiro, com inveja declarada, os que tiveram a coragem de se expor, pedir votos e submeter-se ao crivo das urnas. Além disso, é necessária uma coragem acima da média para se aventurar nos caminhos tortuosos, repletos de armadilhas e de banditismo, que norteiam a politiquice brasileira. São heróis as centenas de pessoas que acreditaram no poder das eleições.

   Fazem parte de um seleto grupo de brasileiros que não terão que pedir desculpas a ninguém. Eles não ficaram lamentando a podridão e o baixo nível, olhando o caos apenas sentados no andar de cima, foram à luta. Optaram por participar do jogo, duríssimo por sinal, se arriscando na lama das desilusões e batalhas injustas.

    Temos que louvar essa gente maravilhosa. Ao contrário do que pensam alguns críticos, o amplo leque de postulantes aos cargos não foi uma bobagem ou exagero. É uma participação que dignifica a democracia. A maioria tinha noção dos riscos e sabia que a derrota era o desfecho mais provável, porém, agiram com vigor e entusiasmo.

Os éticos neste processo devem retomar suas atividades e encarar o fracasso com naturalidade. Os medíocres ficam mendigando cargos públicos e exigindo reparações que não merecem. Pior são aqueles que não se conformam com o malogro e passam a agir nas sombras, com ódio e revanche, perseguindo os que obtiveram sucesso.

Eu entendo que deveria ser organizado um baile, com músicas, alegria e divertimento, para reunir os derrotados. Por que não? Seria uma forma de agradecer aos familiares, aos amigos, mostrando que existe vitória na derrota, na certeza de que grandeza de espírito é participar.

@rosenwalf

www.rosenwalferreira.com.br

facebook/jornalistarosenwal

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro 'Olho no Olho', no Balanço Geral. Mantém, há mais de 18 anos, o programa 'Opinião em Debate' que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico 'Opinião em Debate', que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820AM, de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 08h30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8h30 até às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia 106,7FM.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.