Artigos

A Petrobras é deles, o rombo e os problemas são nossos

        Que Dilma Rousseff mal consegue administrar a dispensa que alimenta as cozinhas da Granja do Torto e do Palácio do Planalto, isso até o padrinho Lula já desconfiou. O famoso apelido de “gerentona” não tem nada a ver com a competência administrativa da presidente. Quando muito, apenas reforça suas atitudes centralizadoras, sua célebre teimosia e um mau humor crônico, que se retroalimenta com sucessivos erros primários.

      A mulher é um poço de incríveis desatinos. Fala mal dos juros, prometendo acabar com eles, para logo depois ingerir o veneno que criticou utilizando a mesma dose censurada. Alardeia uma diminuição na conta de luz, numa estratégia mentirosa, e as tarifas vão aumentar num sistema que se atola no colapso.

     Seu governo é tão destemperado que mesmo oferecendo cargos e ministérios aos baldes, a base aliada é um enrosca nos limites do azedume.  Na macro economia, o único acerto foi reconhecer, tardiamente, que FHC estava certo e acelerar as privatizações, fingindo que não está fazendo a mesma coisa.

   O pior legado de Dilma, sua obra de arte, são os arroubos da Petrobras e o descaso com a inflação. No caso da estatal do petróleo é um assombro constatar que o lulopetismo transformou a empresa num holocausto de roubos e negócios escusos.

  Permitiu, como se Petrobras fosse um boteco que se herdou do sogro, que países da esquerda irresponsável dessem calotes bilionários como se estivessem bebericando uma pinga de cortesia. Apenas para acalmar o espirito de Hugo Chaves, arcamos com algo em torno de 20 bilhões de dólares, num acordo fajuto até os ossos.

   A aquisição da refinaria de Pasadena, ato avalizado pessoalmente por Dilma, é o perfeito conto do otário, considerando que uma empresa comprou a usina por US$42,5 milhões e vendeu por US$1,18 bilhões para as generosas almas brasileiras que, nadando em riquezas, não se importou se adquiria algo falido.

      Onde estava a “gerentona”? Desculpou-se dizendo que não viu, não sabia, foi enganada por um parecer técnico fajuto. Então tá. Se for assim, que não tenha medo de uma CPI e coloque o irresponsável atrás das grades. A verdade é que a Petrobras se tornou o celeiro dos espertalhões do PT. Ali, o petróleo pertence a eles. Jorram-se benesses para todos os gostos. Enquanto a empresa se derrete passando de 20º para 60º lugar no ranking das empresas mais importantes, muitos se tornam milionários da noite para o dia. Nesse espectro de país, Dilma até que merece ser reeleita. Amargando da própria herança. É claro que milhões vão ficar muito pior do que ela, muito pior…

Rosenwal Ferreira, jornalista e publicitário
Facebook/jornalistarosenwal
twitter: @Rosenwalf

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro 'Olho no Olho', no Balanço Geral. Mantém, há mais de 18 anos, o programa 'Opinião em Debate' que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico 'Opinião em Debate', que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820AM, de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 08h30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8h30 até às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia 106,7FM.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.