Artigos

O mal de Iris tem cura?

Artigo publicado no jornal O Hoje 06/12/2018

Com frases curtas, cirúrgicas na essência e na efetividade, o escritor Italiano, Luciano de Crescenzo se fez um escritor respeitado mundialmente. É dele a seguinte reflexão: “O poder não satisfaz, ou melhor, é como a droga e exige sempre doses maiores.”
A despeito de manter um curriculum invejável, ocupando cargos de Ministro a Governador, o atual prefeito de Goiânia, o veterano Iris Rezende Machado, oscila numa trêmula viagem em busca do poder que entrou para o ralo.

Mesmo acomodado no trono do paço municipal, o homem que em sua jornada pública sempre pôde muito, hoje não consegue praticamente nada. Tal qual o alcoólatra sem cachaça, mantém surtos de delirium tremes e se perde num labirinto à procura de um prazer que teima em não acontecer.

Irritado com um cobertor curto, num orçamento precário, ele se joga no abraço de afogados adotando invenções malucas, impopulares e estapafúrdias, vítima de assessores dispostos a vomitar soluções. Sempre, claro, no estilo vampiro a sugar até a última gota do já sofrido contribuinte.

A última invenção foi uma correspondência, invasiva, fantasiosa, com ares de KGB do cerrado, afirmando que a inteligência fiscal da Secretaria Municipal de Finanças (Sefin) identificou inconsistências no Cadastro Imobiliário da Prefeitura de Goiânia, nas residências de quase todos os moradores da capital. Assim, a granel!

Como se não bastasse a bizarrice, ameaçou os contribuintes a uma detenção de dois a cinco anos, caso não informassem os dados que eles pressupõem estarem incorretos! Deve estar à procura de entrar para livro dos recordes como o maior bullying coletivo da história.

É possível que o Ministério Público tome providencias. Em todo caso, fica a triste constatação de que Iris está no ápice insaciável da droga que é o poder! Um mal que tem cura? Oxalá tivesse.

 

Rosenwal Ferreira

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro Olho no Olho, no Balanço Geral; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8:30h ate às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Patrocinado por