Artigos

O drama do Bolsonaro e a comédia dos médicos

Segundo a fecunda escritora espírita Zibia Gasparetto, “o segredo da felicidade é escolher a comédia e largar o drama”.     Normalmente compenetrados em suas ações da ciência médica, os profissionais do admirado complexo hospitalar Albert Einstein, usaram a máxima da escritora no atendimento ao presidente Jair Bolsonaro. Difícil entender porque abandonaram a bula do bom senso.

Está certo que é válida a ideia de ser feliz e alardear sucesso para espantar todas as urucubacas negativas. Mas qualquer estudante mediano sabe, como regra básica, que não se pode comprometer o tratamento do paciente, mesmo que as medidas de prevenção possam lhe causar um gosto amargo.

Esse cardápio vale tanto para os poderosos como para o gentio. O caso do capitão, envolvendo uma operação delicada, uma equação cirúrgica de altíssimo risco e uma responsabilidade redobrada, não devia permitir erros grotescos que causam espanto.

Registra-se que a reversão da bolsa de colostomia aconteceu em tempo recorde. Mas vá lá. Respeita-se a experiência de uma equipe tarimbada. O que vem depois, mesmo em se tratando da nata da medicina, merece uma reavaliação. Ao permitir que, nas primeiras horas pós-cirúrgica, os aposentos do paciente fossem submetidos a um confete de documentos, que passaram por diversas mãos, levados por uma corte de assessores e suas bactérias de estimação, a tragicomédia tomou conta do palco.

Se o todo poderoso mandatário não tem juízo. E exigiu manter o circo da temeridade. Esperava-se que a equipe tivesse a necessária firmeza. Mesmo indócil, com o poder da coroa de um reinado iniciante, tinha que respeitar regras hospitalares. Para o seu próprio bem. Ponto final.

Felizmente, apesar da exposição do paciente a fotos, reuniões, exercícios registrados e todo um carnaval midiático para atender motivos políticos, afagar egos e ajustar cacos típicos do poder que hipnotiza, parece que a opera bufa vai terminar bem. Será?

Para a todas as honras, inclusive dos especialistas, do hospital e da nação, espero que sim. Mas é de se lamentar que a classe médica, incluindo aqui o Conselho Federal de Medicina e Conselho Regional, não tenham emitido sequer um sinal amarelo. Recuperando a saúde, o episódio será apenas mais uma proeza do militar exigente. Se der zebra, anotem, as críticas serão jogadas no ventilador e reputações serão questionadas.

Rosenwal Ferreira

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Record realizando comentários no quadro Olho no Olho, no Balanço Geral; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate que agora está na PUC TV. No meio impresso, é articulista no Diário da Manhã, e no Jornal OHoje.
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã. Logo após é membro da bancada mais ativista da felicidade, das 8:30h ate às 10h da manhã, na Jovem Pan Goiânia.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Patrocinado por