Artigos

Mistura de coxinha, mortadela e farofa de urubu

Numa jogada que deve ter agitado o esqueleto de Ulisses Guimarães, o PMDB jogou o P na latrina e ressuscitou o MDB, como se a estratégia pudesse redimir os erros do partido, colocando os membros da agremiação atual em nível ético aos que deram origem à sigla. Na lambança, no excesso podre até os ossos, de partidos que jorram aos borbotões, o eleitor não deu a mínima.

Esse justificável descaso do povaréu parece encorajar os políticos a conchavos umbilicais de causar indigestão. Em terras do cerrado, se puder acreditar nas informações da imprensa, o cardápio se presta a oferecer um osso duro de roer.

A despeito dos principais ícones do PT em Goiás soltarem o verbo, babando impropérios e classificando o presidente Michel Temer de golpista, os caciques estão dispostos a subirem no mesmo palanque e darem as mãos, numa união fraterna rumo ao poder. Almejam dividir, em caso de vitória, a degustação de guloseimas nos feudos de influência, empregos de cabide e outras sinecuras.

A arraia miúda, essa que discute e se enrosca em confronto que separa até casamentos, não enxerga interesses comuns entre PT e MDB. Ingenuamente, entende que são adversários ferrenhos. Afinal, convenhamos, PMDB, hoje, MDB, deu uma rasteira em Dilma, Lula e Cia Ltda. Imaginem subir no mesmo palanque?

Se for de interesse, e sem nenhum desconforto, vão se abraçar em sorrisos generosos, elogios rasgados e aplausos emocionados. Quando se persegue o poder, e o único objetivo é esse, entra em cena o jogo do vale tudo.

Triste sina dos brasileiros que se atolaram, bancando a conta, em dezenas de partidos que, teoricamente, mas apenas teoricamente, se prestariam a representar diferentes segmentos ideológicos. Na prática só existem dois partidos políticos: os que estão no poder e não querem sair e os que estão fora e querem entrar. Mais ordinário do que isso, impossível.

Rosenwal Ferreira é Jornalista, Publicitário e Terapeuta Trans-Pessoal

 

Sobre o Autor

Rosenwal Ferreira

Rosenwal Ferreira é jornalista, publicitário e terapeuta transpessoal. Multimídia talentoso, ele atua na TV Serra Dourada realizando comentários para o Jornal do Meio Dia; mantém, há mais de 18 anos, o programa Opinião em Debate, que anteriormente era transmitido na TBC Cultura, e agora está na PUC TV. Na TV Metrópole é membro do programa de análises políticas e econômicas. No meio impresso, é articulista na quinta-feira, no Jornal da Manhã, e na terça-feira no Jornal OHoje. 
Radialista de carteirinha, comanda o tradicional programa jornalístico Opinião em Debate, que já ocupou o horário nobre em diversas emissoras, e hoje, está na nacionalmente conhecida Rede Bandeirantes 820am, de segunda a sexta-feira, das 07H30 às 08H30 da manhã.

Deixe seu Comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Patrocinado por